Mais de 700 estrangeiros de 40 nacionalidades a habitar em Santo Onofre e Serra do Bouro



A Carta Local de Comunidades Estrangeiras da União de Freguesias das Caldas da Rainha - Santo Onofre e Serra do Bouro, identificou 731 estrangeiros de 40 nacionalidades que habitam atualmente neste território.

Apresentado a 17 de Janeiro, o estudo, da autoria do investigador Ricardo Gomes, aponta que estes cidadãos são provenientes de 19 países europeus (152 homens e 130 mulheres, de seis nações do continente americano (em especial do Brasil, sendo 160 homens e 152 mulheres), quatro países asiáticos (27 homens e 10 mulheres) e ainda de quatro nacionalidades africanas (32 homens e 54 mulheres).

Entre 2017 e 2019, habitaram também nesta União de Freguesias 13 pessoas da Rússia (cinco homens e oito mulheres) e, em 2017, um cidadão proveniente da Oceania.

Brasil é o país mais representado, com 296 cidadãos (154 do sexo masculino e 142 do sexo feminino), dos quais cinco são menores de idade.

As principais motivações para estas comunidades estrangeiras virem para as Caldas da Rainha foram: procurarem melhores condições de vida (trabalho), estudarem e usufruírem da reforma.

A vice-presidente da Câmara das Caldas, Maria João Domingos, que tem o pelouro da Educação, destacou que nas escolas é muito percetível esta diversidade e que já reuniu com os diretores dos agrupamentos de modo a que os estabelecimentos de ensino saibam quais as principais necessidades destas pessoas.

O projeto-piloto, promovido pela União de Freguesias, pretendeu identificar as comunidades estrangeiras que escolheram este território para se instalarem, de modo a desenvolver ações que promovam a sua inclusão plena.

A Carta é o primeiro passo de um projeto maior de integração cultural entre os cidadãos portugueses e as comunidades estrangeiras, o qual será seguido de uma fase de um Conselho Local em que cada uma das comunidades irá estar representada. O projeto “Caldas do Mundo” está a ser coordenado pela empresa de consultoria Partnia.

De seguida, o objetivo passa por realizar entrevistas personalizadas e reuniões alargadas com as comunidades estrangeiras, entre outras iniciativas. Pretende-se desta forma valorizar a diversidade, trabalhando em conjunto com todos.

Segundo o presidente da União de Freguesias, Jorge Varela, a Carta é uma excelente base de trabalho para que agora se possa pensar em medidas mais concretas na ação junto das diferentes comunidades estrangeiras.

O autarca destacou a necessidade de se fazerem estudos destes, uma vez que não havia sequer a noção exata do número de nacionalidades diferentes a residirem na união de freguesias.

 

Pode consultar aqui o estudo: http://stonofre-sbouro.pt/content/files/Carta_Local_das_Comunidades_Estrangeiras.pdf